Síntese e Luminescência de Vidros à base de PbGeO 3: PbF 2: XF 2 (X = Mg e Ba) Dopados com Terras-Raras

Síntese e Luminescência de Vidros à base de PbGeO 3: PbF 2: XF 2 (X = Mg e Ba) Dopados com Terras-Raras

Discente: 
Alexandre Oliveira Silva
Orientador: 
Artur da Silva Gouveia Neto

Apresentamos neste trabalho o processo de síntese e a luminescência por Convenção Ascendente de Frequência (CAF) nas matrizes vítreas PbGeO3 : PbF2 : xF2 onde x = Mg ou Ba dopados com íons terras-raras ora de Er3+, ora de Pr3+ ambos sensibilizados por íons de Yb3+. Com a matriz PbGeO3 : PbF2 : MgF2 produzimos fósforos com a dopagem de terras-raras Er3+/Yb3+ e Pr3+/Yb3+. E com a matriz PbGeO3 : PbF2 : BaF2 produzimos fósforos dopados com Pr3+/Yb3+. Excitamos os fósforos produzidos (dopados com várias porcentagens de terras-raras) com lasers no comprimento de onda de 980 nm e obtivemos seus espectros de luminescência com um espectrômetro com interface para computador. Os resultados mostram que nas matrizes com Er3+/Yb3+ e Pr3+/Yb3+ a intensidade de luminescência aumentou com o aumento da porcentagem de Er3+ e Pr3+ respectivamente. Fizemos o tratamento térmico e a observação da luminescência dos vidros de PbGeO3 : PbF2 : MgF2 e PbGeO3 : PbF2 : BaF2 ambos dopados com Er3+/Yb3+ e comparamos com os espectros das mesmas amostras antes do tratamento, os resultados mostram um aumento na intensidade da luminescência após o tratamento térmico. Comparamos também os espectros de luminescência de vidros com MgF2 e de vidros com BaF2 dopados com íons Er3+/Yb3+ que mostram que apesar dos espectros serem bem parecidos, algumas transições (quando comparadas) são mais favoráveis na matriz com BaF2 que apresenta intensidade maior em 545 nm da transição 2H11/2→4I15/2 quando comparada com a mesma transição da matriz com MgF2, enquanto o vidro com MgF2 possui intensidade maior, quando comparada com a mesma transição do vidro com BaF2, em 660 nm da transição 4F9/2→4I15/2.